sexta-feira, 13 de maio de 2011

Sexta feira 13 e Renascença Clube


Sim, foi nos momentos mais difíceis de repressão que a arte se ergueu como defensora e igualizadora. Era na sua estrura que as tradições nos tempos de escravidão foram defendidos e protegidos através da luta e da dança, através da culinária e arte. E com o tempo tais manifestações artísticas continuaram a exercer o mesmo papel através de sociedades negras, destinadas à luta e valorização dos menos favorecidos e oprimidos. Surgido em 1954, e fundado por negros de várias classes sociais, o Renascença exerceu também a função de aglutinador para os afro descendentes que não eram bem recebidos nos locais frequentados pela sociedade branca neste período. Nesta "sexta feira 13" onde a "libertação" dos escravos esta em pauta, e mais do que citar a falsa libertária, destaquemos a resistência de oprimidos que através da arte romperam as amarras e conscientizaram o povo negro do verdadeiro sentido da palavra liberdade. Hoje como tudo que evolui, algumas coisas mudaram por lá, mas exemplos como o do Renascença Clube , que ainda permanece vivo, tem de ser lembrados e valorizados. É a cultura e arte em prol da consciência coletiva e novas possibilidade, utilizando de combustível a música e arte. Para recordar alguns momentos significativos do passado e futuro do Renascença Clube posto estes dois vídeos que traduzem tal importância.

Uma das mais importantes peças já realizadasvem tempos difíceis n Rio de Janeiro



Roda do Samba do trabalhador comandada por Moacyr Luz e amigos

Reações:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

A música pulsa como um Eco, estes sons meus amigos são os nossos teleco tecos que vibrantes pulsam igual nossos corações, valeu o comentário!!