sábado, 24 de outubro de 2009

E deu Ecos, a história por trás da letra: Martinho da Vila e "O pequeno Burguês"


Hoje inauguro uma seção intitulada e deu Ecos, nela você irá saber de histórias de músicas que foram sucessos de tons tristes, alegres ou mesmo trágicos retratando inspirações que fizeram muitas vezes seus compositores alcançarem sucesso nacional. E aproveitando a semana Martinho da Vila a seção começa com o mesmo através da música "O Pequeno Burguês". Confesso que sempre achei que esta música tinha sido feita por Martinho da Vila inspirada em problemas de sua faculdade, e muito espantou saber que na verdade Martinho compôs esta música à um colega que após formar-se em Direito não convidou os companheiros de trabalho para a festa de formatura. Inusitada ou não esta musica tornou-se o primeiro sucesso nacional de Martinho, talvez não só pela letra de tom especulativo, mas pelo sentimento que começava a se instalar no país em função do regime da ditadura, e também do sentimento de necessidade de igualdade que começava a se instalar em nosso país, letra esta que mesmo sendo feita em 69, se adequa muito bem a certas realidades atuais em muitos países. Ouçam e tirem suas próprias conclusões, afinal O Pequeno Burguês deu "ecos". por Fábio

O Pequeno BurguêsMartinho da VilaFelicidade!
Passei no vestibular
Mas a faculdade
É particular
Particular!
Ela é particular
Particular!
Ela é particular...

Livros tão caros
Tanta taxa prá pagar
Meu dinheiro muito raro
Alguém teve que emprestar
O meu dinheiro
Alguém teve que emprestar
O meu dinheiro
Alguém teve que emprestar...

Morei no subúrbio
Andei de trem atrasado
Do trabalho ia prá aula
Sem jantar e bem cansado
Mas lá em casa
À meia-noite
Tinha sempre a me esperar
Um punhado de problemas
E criança prá criar...

Para criar!
Só criança prá criar
Para criar!
Só criança prá criar...

Mas felizmente
Eu consegui me formar
Mas da minha formatura
Não cheguei participar
Faltou dinheiro prá beca
E também pro meu anel
Nem o diretor careca
Entregou o meu papel...

O meu papel!
Meu canudo de papel
O meu papel!
Meu canudo de papel...

E depois de tantos anos
Só decepções, desenganos
Dizem que sou um burguês
Muito privilegiado
Mas burgueses são vocês
Eu não passo
De um pobre coitado
E quem quiser ser como eu
Vai ter é que penar um bocado
Um bom bocado!
Reações:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

A música pulsa como um Eco, estes sons meus amigos são os nossos teleco tecos que vibrantes pulsam igual nossos corações, valeu o comentário!!