quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Papo de Teleco Teco: Vamos falar de Bossa Nova? Mas bem baixinho - Os discos de Bossa que não se pode deixar de ouvir


Heroína ou vilã? Bom como não entendo nada de ritmo e harmonia, vou resumir o papo da Bossa a seu fator social, ou quase isto, afinal neste quesito ela representou bem seu papel. Marcada pela fase da forte influência da americanização sobre nossos ritmos ( Bossas são coisas nossas diria Noel Rosa) e do modernismo de Juscelino kubitscheck a Bossa surgiu oriunda da classe média sobre a figura de bronzeados universitários cariocas. Cantada baixinho, com versos tranquilos e leves, o ritmo foi caminhando de apartamento em apartamento, através de reuniões informais e elaborados acordes musicais com um time de primeira formado por João Gilberto, Nara Leão, Vinicius de Moraes, Renato Menestel, Carlos Lyra e muitos outros. Para alguns a Bossa só virou Bossa mesmo em 1957 após o encontro entre Menescal e João Gilberto, quando o baiano Gilberto veio tentar a sorte no Rio e foi acolhido por Menestel, propciando através deste ícones o casamento dos ritmos e músicas que deram a "cara" a Bossa Nova. Aí com o tempo juntaram-se a trupê Rick Farney e outros bosseiros, se é que este termo existe; fazendo a nova música pular do Brasil para o mundo; ganhando prestígio, e passando a ser considerada nas terras além mar, em função de cartões postais como "Garota de Ipanema" de Vinicius de Moraes, a "verdadeira" música brasileira. Neste processo a Bossa sobre os belos joelhos e influência de Nara Leão foi beber dos sambistas do morro, o que fez surgir o samba-canção, sempre amparado por sambistas do calibre de Zé Keth, Orlando Silva e outros bambas. Porém como tudo não são glórias; teve muita gente que com fortes e plausíveis argumentos desceu o pau no ritmo.


Entre eles Tinhorão que criticou muito o ritmo, defendendo o fato de que ao se aliar a ritmos como o Jazz e outras batidas "glingolísticas", a Bossa contribuiu para uma grande descaracterizarização do resgate e verdadeiras origens dos tradicionais ritmos brasileiros, vai saber não? Diante de tudo isto, com a "evolução" dos veículos de comunicação veio a Indústria Cultural que mexeu, remexeu, transformou, extinguiu e homogenizou estes processos dando origem a MPB. Mas a Bossa não morreu não, e pode ser considerada ainda com um dos símbolos cariocas musicais. Para provar, abaixo o Ecos disponibiliza uns disquinhos para baixar e ouvir bem baixinho afinal Bossa Nova é Papo de Teleco Teco. por Fábio

Herbie Mann & João Gilberto – Herbie Mann & João GIlberto With Antonio Carlos Jobim (1965)















Roberto Menescal – A Bossa Nova de Roberto Menescal e Seu Conjunto (1963)








Atenção: Este link encontra-se na Internet através de blogs e não é de responsabilidade do Ecos do Teleco Teco devendo ser deletado de seu micro no período máximo de 24 horas.Recomendamos que adquiram o cd na intenet através de sites como http://www.buscape.com.br/ ou similares preservando os direitos do ator)
Reações:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

A música pulsa como um Eco, estes sons meus amigos são os nossos teleco tecos que vibrantes pulsam igual nossos corações, valeu o comentário!!