sexta-feira, 4 de março de 2011

Utopia da tragédia



E lá do fundo alguém grita: Este ano ninguém desce. E o carnaval de luxo e tecnologia dá lugar a emoção e energia. Do incêndio que queimou o barracão e destruiu fantasias, as chamas esquentaram a comoção e o povo foi para avenida de um jeito diferente, como a tempos não se via. Na comissão de frente os baluartes da Escola retornaram a avenida, vestido de tradições e resgatando o carnaval, as baianas girando e girando simbolizavam a vira volta que se iniciava, onde ao invés de artistas e celebridades muitas pessoas da verdadeira comunidade lotavam a escola. E estinguiram o tempo de apresentação pois era tanta gente a desfilar que as agremiações nem tinham hora para passar, cada um com sua fantasia só queria saber da folia. Passava a vovó, a sobrinha, a titia e até o gringo que buscava bundas e orgias esqueceu da fobia insaciável do prazer só para sambar com alegria. Ahhhh vã utopia pois mesmo diante desta infeliz tragédia, tudo ainda continuará no mesmo consumismo e monotonia....

Reações:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

A música pulsa como um Eco, estes sons meus amigos são os nossos teleco tecos que vibrantes pulsam igual nossos corações, valeu o comentário!!