sábado, 30 de julho de 2011

Seu Jorge e a Lapa moderna...


Certa feita, por acaso encontrei-me com o cantor Seu Jorge numa taberna da Rua Alice, no bucólico bairro de Laranjeiras, a Tasca do Edgar, que lhe serviria de ponto de conversa, chope gelado e petiscos, após um exaustivo dia de filmagem do filme Tropa de elite II. Sem nos conhecermos, resolvi saudá-lo com um “Seu Jorge!”, que fora sucedido de um simpático “Fala, professor!”. Ofereci em sua homenagem, por minha conta, duas garrafas de cerveja e um bolinho de bacalhau. Decerto, o assunto não renderia nada além de um “obrigado, meu camarada”, não fosse o que me impele a discutir o cenário artístico do outrora território da malandragem carioca, povoado por Geraldo Pereira, Heitor dos Prazeres, Wilson Batista e Monsueto entre outros bambas – a Lapa moderna.
Reações:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

A música pulsa como um Eco, estes sons meus amigos são os nossos teleco tecos que vibrantes pulsam igual nossos corações, valeu o comentário!!