quarta-feira, 10 de março de 2010

Papo de Teleco Teco: Os primeiros discos do grupo Fundo de Quintal - Fundo de Quintal, Pagode, Cacique de Ramos e Indústria Cultural

Infelizmente a mídia nos faz enxergar coisas de traz para frente e devido a isto deixamos de meditar sobre a importância que certos movimentos musicais exerceram culturalmente. Isto se deu com o que hoje conhecemos por pagode; desenhado atualmente por reflões fracos e repetivos, jogadas de marketing e rotatividade de grupos que, não conseguindo sobreviver em função das regras impostas por determinados veículos de nosso mercado cultural sucumbiram. Porém nem sempre foi assim, o pagode que hoje conhecemos como gênero musical já foi símbolo de encontros musicados regados a muita comida e bebida tendo como própósito maior compartilhar amizades e criar parcerias. Um dos palcos deste cenário citado acima foi o Cacique de Ramos, berço do grupo Fundo de Quintal; que serviu de incubadora para gênios como Almir Guineto, Zeca Pagodinho, Jovelina Pérola Negra, Sereno, Jorge Aragão entre tantos outros proliferassem, fazendo-nos pensar que até mesmo o "pagode" hoje por vezes tão comercial, já foi um berço de manifestação social. Nos anos 80, época em que as grandes gravadoras só tinham olhos para o rock e a música internacional o "periférico" pagode enxeu ginásios nas baixadas do Rio de Janeiro e começou a mudar o ritmo da indústria cultural brasileira. Paulinho da Viola em entrevista a revista Fora de Série do Brasil Econômico, percebendo este processo citou:

"Nessa fase, a Jovelina Pérola Negra, o Almir Guineto e o Zeca Pagodinho enchiam ginásios com samba, pagode e ninguém sabia. Só depois a mídia correu atrás. O falecido Agepê fez um compacto Deixa Eu Te Amar (1984) e estourou no Brasil inteiro. Foi um problema sério por que o investimento estava em outras coisas, Blitz, Lobão… “





De todo este processo nasceu, o grupo Fundo de Quintal, apadrinhado por Beth Carvalho que através de um "pagode" mais moderno , popularizou o ritmo. O Fundo de Quintal sempre baseou-se nos sambas de versos de improvisos e mesmo com adaptações de alguns instrumentos semre teve em seu meio os instrumentos mais tradicionais representando compositores como Candeia, Nelson Cavaquinho, Cartola, Heitor dos Prazeres, Velha Guarda da Portela, Adoniram, Pedro Marteleiro, Tia Madalena, Tião Cantador, Wilson Moreira, Nei Lopes, Paulinho da Viola, Noel Rosa e tantos outros em muito de seus trabalhos. Abaixo os dois primeiros albuns deste grupo, afinal Fundo de Quintal é Papo de Teleco Teco.

SAMBA É NO FUNDO DO QUINTAL - 1980


01 - Você quer Voltar
02 - Sou Flamengo, Cacique e Mangueira
03 - Prazer da Serrinha
04 - Olha a Intimidade
05 - Volta da Sorte
06 - Marido da Madame
07 - Bate na Viola
08 - Gamação Danada
09 - Lá no Morro
10 - Bar da Esquina
11 - Voltar a Paz
12 - Zé da Ralé

SAMBA É NO FUNDO DE QUINTAL - VOL 2 - 1981
01 – Bebeto Loteria
02 – Resignação
03 – Doce Refúgio
04 – Amarguras
05 – Minha Arte de Amar
06 – Ser Poeta
07 – Sá Janaina
08 – Sonho de Valsa
09 – Melhor Para Dois
10 – Suborno
11 – Vai Por Mim
12 – Entre Confiante



Atenção: Este link encontra-se na Internet através de blogs e não é de responsabilidade do Ecos do Teleco Teco devendo ser deletado de seu micro no período máximo de 24 horas.Recomendamos que adquiram o cd na intenet através de sites como http://www.buscape.com.br/ ou similares preservando os direitos do ator)
Reações:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

2 comentários:

  1. Parabéns, Fábio, por mais uma homenagem ao Cacique de Ramos, ao Fundo de Quintal e a todos os artistas e compositores que se inspiraram na sombra das tamarineiras, lá na quadra da Rua Uranos, 1326 - Olaria.
    Obrigado.
    Tuninho Cabral, do Cacique.

    ResponderExcluir
  2. Simmmmmm é o Cacique de Ramos!!!

    ResponderExcluir

A música pulsa como um Eco, estes sons meus amigos são os nossos teleco tecos que vibrantes pulsam igual nossos corações, valeu o comentário!!