quarta-feira, 19 de maio de 2010

Papo de Teleco Teco: Cururu e o orgulho de ser Caipira



Na última quinta feira mais uma vez tive a sorte de encontrar com o mestre Toniquinho Batuqueiro esta entidade viva do samba paulistano que estava sendo trazido em minha cidade para realização de um documentário sobre samba paulistano e suas influências. Segundo os organizadores Toniquinho contou casos, histórias e entre um papo e outro ressaltou seu orgulho de ser piracicabano, algo meio incomum de vermos ultimamente. Uma das coisas que seu Toniquinho sempre destaca quando se apresenta, são as histórias que rodearam sua infância, fatos estes que contribuiram muito na sua formação musical de sambista. Entre os vários ritmos que permearam tal formação, Batuqueiro sempre destacou as rodas de Cururu que existiam em sua casa quando garoto. O Cururu é uma espécie de desafio cantado oriundo, segundo alguns pesquisadores, das origens luso-afro-indígena, o qual foi muito tocado na Média Tietê, no triângulo Sorocaba, Piracicaba e Botucatu.

Cercado de muita tradição as rodas de Cururu viravam a noite, onde seus cantadores ou repentista (pois as músicas eram sempre de improviso) em forma de desafio, (também chamado de carreiras) tentavam surpreender seus desafiantes. Um dos papéis mais importantes desta manifestação, em meu ponto de vista, foi o fato de levar a frente fortes traços da tradição contida na cultura caipira do interior de São Paulo, a qual segundo alguns pesquisadores, serviu também como forte influência na formação básica do samba rural paulista. Segundo o site Os reis do Cururu "o cantador de cururu pode ser chamado também de trovador, repentista ou cantante, homens de inteligência aguda, tão necessária para quem pretende cantar de modo improvisado, são cidadãos simples, pedreiros, lavradores, frentistas de posto, motoristas de caminhão ou de táxi, operários que, ao cantarem em frente ao altar ou em cima de um palco, assumem a força e o orgulho de quem preserva as tradições de sua terra, em busca de um troféu mil vezes sagrado: o aplauso do público. " Abaixo alguns trabalhos dos principais corueiros, resgatados pelo colecionador Jair de Souza Paia que como muitos aqui tentam manter vivo este tradicional ritmo cercado de muita criatividade e religiosidade, afinal Cururu é Papo de Teleco Teco.


Cururú de Roda - Piracicaba Lado A
Lado B
----------------------------
01 Narciso Correa
02 Zico Moreira
03 Parafuso
04 Horacio Neto
05 Pedro Chiquito
06 Nho Serra
07 Narciso Correa
08 Zico Moreira
09 Parafuso
10 Horacio Neto
11 Pedro Chiquito
12 Nho Serra
13 Narciso Correa
14 Nho Serra
15 Zico Moreira
16 Pedro Chiquito
17 Narciso Correa
18 Nho Serra

Atenção: Este link encontra-se na Internet através de blogs e não é de responsabilidade do Ecos do Teleco Teco devendo ser deletado de seu micro no período máximo de 24 horas.Recomendamos que adquiram o cd na intenet através de sites como http://www.buscape.com.br/ ou similares preservando os direitos do ator)
Reações:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

A música pulsa como um Eco, estes sons meus amigos são os nossos teleco tecos que vibrantes pulsam igual nossos corações, valeu o comentário!!