sexta-feira, 25 de março de 2011

EAD na música brasileira?


Atualmente ouvimos forró universitário, pagode universitário e a até sertanejo universitário. Surgidos de estudantes que se "arriscaram" a levar sons em baladas da faculdade nos anos 90 tais musicas cairam no gosto popular e dominaram o mercado musical rapidamente. Diferente dos sons universitários de antigamente baseados em músicas mais voltadas a protestos, criticas e reinvindicações; os novos forros, pagodes e sertanejos universitários ditam ritmos e trejeitos, pouco se preocupando com filosofias sociais, reinvindicatórias ou protestuais, sinais dos tempos? Exagero? Tendência? Como costumo dizer, para mim a música se assemelha a vida e movimentos sociais e partindo desta teoria, comparo as diferenças musicais entre as músicas dos universitários de ontem e de hoje, afinal como tempo de permanencia em muitas universidades atualmente passam rápido demais para diálogos em CAS, violões e vivências coletivas, talvez alguns grupos deste novo gênero sejam hoje, dentro desta minha linha de comparação, os novos "EADs" de nossa música brasileira onde, nos postamos mais distantes de todas as convivências que estimulariam transformações conceituais. em troco de um perído menor de estudos para um diploma (rs*). Vai saber né?!?!
Reações:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

A música pulsa como um Eco, estes sons meus amigos são os nossos teleco tecos que vibrantes pulsam igual nossos corações, valeu o comentário!!