sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

2 de dezembro dia Nacional do Samba, vivendo e sambando, sambando e vivendo, Piracicaba anda meio assim..


Está no jornal mas ainda é marginal. Mas calma não entenda o sinônimo como criminalidade, mas sim algo que margeia a sociedade. Apesar do status atual de pop ainda convive na classe pobre e o antes recluso, hoje virou até artigo de faculdade. Seja no conchavo baiano, no ortodoxo sambar paulista ou nas mudanças cariocas, foi além da cultura musical adjetivando conceitos sociais. Por seus cânticos passou a história, e por seus baluartes ficou na memória. E quando deixa seu individualismo de lado move multidões, assusta, e tira da zona de conforto até grandes conglomerações. Sim nosso samba merece respeito, afinal sem preconceito ele é preto, fruto das senzalas, dos quilombos e dos morros. E sua alquimia transforma pessoas, e quem duvida conheça Cartola, Mano Décio da Viola, Heitor dos Prazeres que com prazeres compuseram verdadeiras obras musicais. Mesmo rotulado, surrado e muitas vezes esquecido um certo Sargento um dia falou: "Ele agoniza, mas não morre". Salve o dia Nacional do Samba, verdadeiro patrimônio cultural brasileiro.
E por falar em samba, os sambas da minha terra estão mais ou menos assim:



Reações:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

A música pulsa como um Eco, estes sons meus amigos são os nossos teleco tecos que vibrantes pulsam igual nossos corações, valeu o comentário!!